Cardiologistas em Curitiba debatem efeitos dos stents absorvíveis no coração

0
206

Depois de três anos do primeiro implante de stent absorvível no coração, em Curitiba, médicos discutem os efeitos positivos e negativos do procedimento

(Foto: Bigstock)
(Foto: Bigstock)

Curitiba foi uma das cidades pioneiras, há três anos, a fazer uma cirurgia de implante do stent bioabsorvível para a desobstrução das artérias do coração, e prevenção de enfartes e doenças cardiovasculares. Ao lado do hospital Albert Einstein, em São Paulo, o hospital cardiológico Costantini, em Curitiba, foi um dos primeiros a realizar o procedimento, feito durante o simpósio anual de cardiologia que se repete nesta semana, na sua 17ª edição. O assunto da roda de conversa dos médicos não poderia ser outro: como estão hoje os pacientes tratados com os stents absorvíveis?

A diferença de um stent tradicional para o absorvível é que, além de expandir o vaso obstruído pelo acúmulo de gordura, favorecendo o fluxo sanguíneo, a estrutura não permanece no organismo como um corpo estranho. Ela é absorvida e expelida em até 18 meses através da urina, como água e dióxido de carbono. Nas estruturas antigas e metálicas, o stent permanecia no corpo por anos, gerando outros problemas.

17º Simpósio Internacional de Cardiologia Intervencionista (CardioInterv 2017) acontece entre os dias 23 e 24 de novembro, no hospital Cardiológico Costantini, em Curitiba. Serão debatidos, ainda, temas de destaque na área cardiológica, como a prevenção de Acidentes Vasculares Cerebrais (AVCs) com técnicas de tratamento, por meio do catéter, além de exames importantes como a Tomografia de Coerência Óptica (OCT), Ultrassom Intravascular (IVUS), Avaliação Funcional Invasiva, a doença estrutural e o tratamento Transcateter de Valvopatias.

Doenças cardiovasculares
Apesar da futura mudança na principal causa de morte no Brasil, passando das doenças cardiovasculares aos cânceres a partir de 2029, as doenças do coração ainda chamam a atenção e cuidados do brasileiro.

De acordo com dados da Sociedade Brasileira de Cardiologia, cerca de 310 mil pessoas morreram no Brasil, só em 2017, devido a problemas no órgão. Entre 2004 a 2013, as doenças cardiovasculares foram responsáveis por mais de 3,15 milhões de mortes no país.

Serviço:
17.º Simpósio Internacional de Cardiologia Intervencionista
Data: 23 e 24 de novembro
Local: Hospital Cardiológico Costantini (R. Pedro Collere, 890, Vila Izabel)
Informações: (41) 3013-9267 ou info@cardiointerv.com

Fonte:http://www.gazetadopovo.com.br/viver-bem/saude-e-bem-estar/coracao-com-stents-absorviveis-como-estao-os-pacientes-hoje/

Deixar uma resposta